Destaques
2018 o Ano Europeu do Património Cultural, uma proposta da CE

 

A Comissão Europeia pretende chamar a atenção para o papel do Património Cultural da Europa, como testemunho de identidade relevante na história da humanidade, promovendo a sua partilha às gerações futuras, e eleger o ano de 2018 como o Ano Europeu do Património Culturalconforme proposta apresentada ao Parlamento Europeu e ao Conselho, a 30 de agosto.

2018 o Ano do Património Cultural será uma ocasião para destacar a importância da cultura europeia e mostrar como se tem atuado nas diversas àreas apoiadas pelos programas de financamento da UE, em termos de conservação, informatização, infraestruturas, desenvolvimento da investigação e das competências, realização de eventos em toda a Europa e campanhas de informação, educação e sensibilização.

preservação do património cultural como elemento basilar das políticas externas da UE, torna-se, cada vez mais, uma prioridade para a obtenção de respostas que contrariem a destruição criminosa do património cultural em zonas de conflito, e o tráfico ilícito de artefactos culturais, conforme consta na comunicação conjunta Rumo a uma estratégia da UE para as relações culturais internacionais.


O Património Cultural na Europa

Entende-se como património cultural o conjunto de recursos herdados do passado que as pessoas identificam, independentemente do regime de propriedade dos bens, como um reflexo e expressão dos seus valores, crenças, saberes e tradições em permanente evolução. Inclui todos os aspectos do meio ambiente resultantes da interacção entre as pessoas e os lugares através do tempo.

Uma comunidade patrimonial é composta por pessoas que valorizam determinados aspectos do património cultural, que desejam, através da iniciativa pública, manter e transmitir às gerações futuras, de acordo com a Convenção Quadro do Conselho da Europa Relativa ao Valor do Património Cultural para a Sociedade, assinada em Faro a 27 de outubro 2005.

Dos sítios arqueológicos à arquitetura, dos castelos medievais às tradições folclóricas e às artes, o património cultural da Europa está no âmago da memória e da identidade coletiva dos cidadãos europeus. A grande diversidade nacional, regional e local da União Europeia constitui um catalisador único de intercâmbios entre gentes de todas as idades, contextos sociais e culturais e oferece ainda, um forte potencial em termos de promoção da coesão e da integração sociais, através da regeneração de zonas negligenciadas, da criação de postos de trabalho locais e da promoção de um sentimento partilhado de pertença dos seus tesouros patrimoniais.

A Comissão considera que o património cultural merece um ano europeu em 2018. O Comissário Europeu Tibor Navracsics, declarou a respeito:

O nosso património cultural é mais do que a memória do nosso passado, é a chave para o nosso futuro. O Ano Europeu do Património Cultural será uma oportunidade para insistirmos na importância social e económica do património cultural e para promovermos a excelência europeia neste setor. Lanço um apelo ao Parlamento e ao Conselho para que apoiem a nossa proposta e convidem todas as partes interessadas a contribuir para que esta iniciativa seja um êxito.

O património cultural desempenha um importante papel económico, empregando diretamente mais de 300.000 pessoas na Europa. Estima-se que cerca de 7,8 milhões de empregos, estão indiretamente ligados ao património cultural, i.e. o setor do turismo e da construção, dos serviços auxiliares como os transportes e dos serviços de interpretação, manutenção e segurança.

Só em 2011, as atividades do património cultural totalizaram € 8,1 mil milhões, em França, gerados por museus, sítios de interesse, edifícios históricos e atrações turísticas, bibliotecas e arquivos.

 

 Foto: The Heart of Ancient Athens  in Greece. Selected for the European Heritage Label in 2014.

 

Consulte ainda

 

Fonte: RAPID/CE, AD&C, Comissão Europeia

01/09/2016 , Por Vanda Cardoso Pinheiro