POTATOPLASTIC – Desenvolvimento de um composto bioplástico biodegradável à base dos subprodutos de batata

O projeto POTATOPLASTIC visa desenvolver um composto bioplástico biodegradável, à base dos subprodutos de batata, para substituir o plástico tradicional.

 

Síntese

Motivado pelo impacto ambiental e o elevado custo associado à reciclagem dos plásticos convencionais, o projeto POTATOPLASTIC visa desenvolver um composto bioplástico biodegradável, à base dos subprodutos de batata, para substituir o plástico tradicional. O POTATOPLASTIC contribuirá assim para um menor uso de matérias-primas não-renováveis na produção de plásticos, reduzindo os custos económicos e ambientais da reciclagem destes últimos. Além disso, a indústria do processamento de batata beneficiará pela criação de uma atividade capaz de absorver grande parte dos seus resíduos e produtos secundários não reutilizados.

 

Enquadramento

Desde a produção do plástico até à sua utilização final, existem várias práticas que poluem o meio ambiente. Processos como a extração e o refinamento do petróleo envolvem elevado consumo de água e de energia, geram grandes quantidades de resíduos líquidos e sólidos de difícil tratamento, libertam diversos gases nocivos para a atmosfera, e apresentam riscos consideráveis de derramamento de petróleo para o ambiente marinho.

Numa fase de pós-consumo são gerados elevados volumes de plásticos difíceis de serem reciclados, dando origem a uma significativa acumulação de lixo no meio ambiente. Além disso, o entupimento de valas, a poluição visual e o respetivo impacto no ecossistema também são consequência da grande utilização de plástico.

Ao mesmo tempo, grandes quantidades de batata são anualmente desperdiçadas, utilizadas na alimentação animal ou em processos de compostagem. O aumento de resíduos de batata potencia problemas ambientais e prejudica a economia deste tipo de produção agrícola. Além disso, a indústria de processamento de batata gera, em abundância, vários subprodutos resultantes do fabrico de produtos alimentares à base de batata.

O projeto POTATOPLASTIC revela-se promissor na resposta à necessidade da indústria de plásticos em desenvolver um composto bioplástico biodegradável, promovendo simultaneamente a evolução económica da indústria de processamento de batata.

O bioplástico define-se como um material plástico de base biológica (biomassa), biodegradável. No desenvolvimento de novos materiais, tendo sempre em conta a produção e o consumo sustentável, os bioplásticos apresentam diversas vantagens de índole económica e ambiental, uma vez que o uso de matérias-primas renováveis na sua produção conduz a uma redução na emissão de gases nocivos para o meio ambiente e a uma poupança de recursos fósseis.

 

Projeto

O principal objetivo deste projeto consiste no desenvolvimento de um composto bioplástico biodegradável à base dos subprodutos de batata, tais como óleos de fritura, águas de lavagem de batata, pequenos fragmentos derivados do corte de batata e cascas de batata.

O projeto POTATOPLASTIC resulta de uma co-promoção entre a empresa ISOLAGO – Indústria de Plásticos, S. A. e a Universidade de Aveiro e assenta em três etapas fundamentais: (1) a extração, identificação e quantificação da matéria-prima do bioplástico, ou seja dos subprodutos da indústria de batata; (2) a produção, caraterização e funcionalização de compostos bioplásticos à base dos subprodutos da indústria de batata; e, (3) a transposição do processo de produção de compostos bioplásticos à escala piloto/industrial. O plástico convencional será utilizado como referência, de modo a garantir um novo material compatível com as necessidades do cliente final.

Face aos bioplásticos já existentes no mercado, este projeto tem como finalidade promover um material competitivo em termos de biodegradabilidade e de custo. Além disso, a valorização de subprodutos industriais é outra grande vantagem associada a este projeto, uma vez que, as elevadas quantidades de resíduos frequentemente obtidas pelas indústrias de processamento de batata, que normalmente são despejadas em aterros ou utilizadas em processos de compostagem na produção agrícola, serão aproveitadas, contribuindo para o aumento da sustentabilidade deste tipo de indústrias.

 

Apoio

Projeto promovido pela ISOLAGO – Indústria de Plásticos, S. A., conta com o apoio do COMPETE 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico, na vertente de co-promoção, envolvendo um investimento elegível de 1.691 mil euros o que resultou num incentivo FEDER de 1.011 mil euros.

De acordo com Rodrigo Barros, Administrador da empresa promotora, “a Isolago tem procurado associar-se a instituições de I&D pois desta forma consegue ter acesso a outras competências, tecnologias e conhecimentos o que lhe confere uma elevada capacidade de atualização, permitindo alavancar valor técnico e tecnológico aos produtos que disponibiliza no mercado. Isto associado ao investimento constante em equipamento de vanguarda, altamente especializado e versátil, tem permitido à empresa inovar e conquistar novos clientes.

Desta forma, a vontade de investir em I&D já faz parte do DNA da empresa. Procurando adaptar esta vontade às reais necessidades da procura e da sociedade, a Isolago pretende desenvolver em conjunto com a Universidade de Aveiro um composto bioplástico biodegradável como potencial alternativa ao uso do plástico tradicional.

O apoio recebido no âmbito do projeto POTATOplastic permite alimentar esta vontade de inovar e diferenciar os seus produtos e torna a concretização do investimento mais célere. Este apoio é fundamental para que a Isolago e a Universidade de Aveiro dispensem tantos recursos em investigação.”

11/04/2017 , Por Miguel Freitas