Destaques
O COMPETE 2020 alavancou 113 milhões de euros de investimento no setor agro-alimentar, o 2.º maior empregador em Portugal

O sector agroalimentar representa uma das fileiras estratégicas para a dinamização da economia nacional. Nos últimos anos tem-se assistido a uma alteração no perfil das empresas agroalimentares: a preocupação com a qualidade da matéria-prima, a diferenciação do produto, a aposta no design e na marca e a internacionalização, constituem, os principais elementos de diferenciação face ao perfil tradicional.

E é neste contexto que os instrumentos do COMPETE 2020 fazem a diferença apoiando actividades de I&DT, de inovação produtiva, de qualificação e internacionalização. Alimentos funcionais, novas embalagens, promoção de marcas, uma vasta opção de investimentos fundamentais num setor complexo que inclui o conjunto de atividades relacionadas com a transformação de matérias-primas em bens alimentares ou bebidas e a sua disponibilização ao consumidor final, abrangendo atividades tão distintas como a agricultura, a silvicultura, a indústria de alimentos e bebidas e a distribuição.

 É um setor altamente competitivo,onde o efeito escala é importante, o que se comprova pela existência de algumas e conhecidas grandes multi-nacionais na área, apesar de as empresas de menor dimensão serem predominantes.

O setor agroalimentar em Portugal representa 20% da indústria transformadora; é constituído por 10.500 empresas, maioritariamente de pequena e média dimensão, emprega 104.000 trabalhadores e representa um volume de negócios de 14.600 milhões de euros (FIPA, 2015, INE, 2015). Segundo o Gabinete de Planeamento, Política e Administração Geral (GPP) do Ministério da Agricultura e do Mar, o complexo agroalimentar representava em 2012, 4,1% do PIB, 12% do emprego, 8,4% das exportações e 14,4% das importações (GPP, 2013). Trata-se de um setor que contribui, decisivamente, para a internacionalização da economia portuguesa: de acordo com (GPP, 2013), o crescimento médio das exportações do complexo agroalimentar foi de 7,9%, claramente superior à taxa de crescimento médio anual das exportações de bens que se cifrou em 3,4%.

No que respeita à estrutura o setor agroalimentar nacional caracteriza-se por uma acentuada atomicidade e grande dispersão quer geográfica quer por setor de actividade, em que predominam as muito pequenas e pequenas empresas o que dificulta a obtenção de economias de aglomeração e de capacidade negocial nos mercados.

Algumas associações resultantes de estratégias de eficiência coletiva ou de movimentos associativos – como a Portugal Foods, a Portugal Fresh, entre outras -  tem  contribuído para a implementação de linhas estratégicas para os subsectores que representam.  

 

19/09/2016 , Por Paula Ascenção