Gran Cruz aposta numa filosofia de inovação constante

Conforme teve oportunidade de testemunhar aquando da visita ao setor vitivinícola no passado mês de janeiro, Rui Vinhas da Silva, presidente do COMPETE 2020, reconhece que “a Gran Cruz aposta seriamente na diversificação dos seus vinhos, direcionando-os para o exigente mercado internacional através de uma estratégia assente em infraestruturas e tecnologia de excelência e numa filosofia de inovação constante, que lhe confere vantagens distintas e valiosas num mercado global competitivo e em constante mudança.”

No âmbito da iniciativa “COMPETE 2020 ao lado de quem cria valor”, o presidente do COMPETE 2020, Rui Vinhas da Silva, iniciou no dia 25 de janeiro de 2016, uma visita de uma semana a 16 empresas do setor dos vinhos, procurando abranger todo o território do continente.

A Gran Cruz foi a primeira empresa que Rui Vinhas da Silva teve a oportunidade de conhecer e caracterizar do seguinte modo: “a Gran Cruz aposta seriamente na diversificação dos seus vinhos, direcionando-os para o exigente mercado internacional através de uma estratégia assente em infraestruturas e tecnologia de excelência e numa filosofia de inovação constante, que lhe confere vantagens distintas e valiosas num mercado global competitivo e em constante mudança.”

Breve Histórico da Gran Cruz

Sendo hoje uma das maiores empresas do sector de produção e comercialização de Vinho do Porto, atingindo um volume de vendas anuais na ordem dos 10 milhões de garrafas, em menos de 25 anos, a GRAN CRUZ tornou-se o maior exportador de Vinho do Porto. Esta posição invejável no ranking dos exportadores foi conseguida em 1996, tendo-se mantido inalterável ao longo dos anos e, dado o empenho de todo o pessoal da empresa, espera-se manter no futuro.

A GRAN CRUZ é uma empresa que se dedica à produção, envelhecimento e comercialização de vinhos e bebidas espirituosas, nomeadamente de Vinho do Porto, encontrando-se fortemente implantada ao nível nacional e internacional.

Sucedendo à Casa Assunção e Filhos, fundada em 1887, a GRAN CRUZ, inicialmente sob a designação de Manuel R. de Assunção & Filhos, Lda., foi constituída em 1926, possuindo as suas instalações em Vila Nova de Gaia onde permanecem cerca de 47 milhões de litros de vinho do Porto.

Em 1975, com a entrada do Grupo ”La Martiniquaise“ para a sociedade, foi adotada a denominação social GRAN CRUZ PORTO - Sociedade Comercial de Vinhos, Lda.

O Grupo ”La Martiniquaise“, sediado em França, tem sido desde há várias décadas o maior importador mundial de Vinho do Porto. Inicialmente, o Vinho era-lhe fornecido a granel por variadíssimos exportadores de Vila Nova de Gaia e a ”La Martiniquaise“ engarrafava-o e vendia-o com a sua marca CRUZ.

Percebendo que os milhões de consumidores de Vinho do Porto espalhados por todo o mundo estariam mais interessados num vinho engarrafado em Portugal, a ”La Martiniquaise“ convidou o Diretor Geral da GRAN CRUZ, António da Rocha Pinto, a corporizar o seu sonho. Assim, foram comprados vinhos velhos, armazéns, cubas, modernas linhas de engarrafamento, material de laboratório e admitido pessoal competente e dinâmico.

Dado o prestígio da marca e a grande qualidade dos seus produtos, a empresa atingiu rapidamente uma forte posição no mercado francês, conseguindo, ao fim de cinco anos, liderar as vendas de Vinho do Porto neste mercado.

Em 1980, inicia-se um novo ciclo de conquista de novos mercados com a implantação da prestigiada marca Porto Cruz no mercado Belga. Rapidamente a empresa conseguiu liderar este mercado com a imposição de uma política comercial bastante agressiva.

Em 1985, a GRAN CRUZ registava já um volume de vendas de cerca de 8 milhões de garrafas, das quais aproximadamente 60% respeitavam a marcas próprias.

O ano de 1988 ficou marcado pela fusão da empresa Alcibiades de Barros, Lda. na GRAN CRUZ PORTO – Sociedade Comercial de Vinhos, Lda., por incorporação daquela sociedade nesta última, extinguindo-se, assim, a primeira e o respetivo património transferido na sua totalidade para a GRAN CRUZ.

Em 1990 concluiu-se a plantação de duas Quintas na região do Douro, com 120 hectares plantados com as melhores castas utilizadas para Vinhos do Porto.

Atualmente, a GRAN CRUZ é detida pela COFEPP – Compagnie Financière Européenne de Prises de Participation, S.A., com cerca de 87% do capital social, SEDMA – Société des Entrepôts et de Distribution de Marchandises Alimentaires, S.A. (12%) e Jean-Pierre Cayard (1%).

Iniciativa “ COMPETE 2020: ao lado de quem cria valor”

Esta visita inseriu-se na iniciativa “COMPETE 2020: ao lado de quem cria valor”, dedicada à fileira vitivinícola.

Com a duração de uma semana, esta iniciativa incluiu a visita a 16 empresas do setor dos vinhos, procurando abranger todo o território do continente. A diversidade do setor e a sua representatividade regional permitiram uma seleção de percursos empresariais que se pretendem conhecer e analisar.  

Para o presidente do COMPETE 2020, Rui Vinhas da Silva, esta visita ao sector do vinho, pretende “aproximar este Programa das empresas, com a consciência que os instrumentos económicos ao serviço destas devem contribuir para orientar a economia portuguesa na filosofia de criação e agregação de valor a produtos e serviços inovadores, baseada num entendimento absoluto do ambiente competitivo em mercados internacionais sofisticados, procurando refletir a sua heterogeneidade e especificidades.”

 

Links

Roteiro do vinho: http://issuu.com/compete2020comunicacao/docs/2015-01-19-roteiro-proj-compete2020

Site: http://www.porto-cruz.com/

Facebook: https://www.facebook.com/espacoportocruzcentromultimedia/

 

08/02/2016 , Por Cátia Silva Pinto
Portugal 2020
COMPETE 2020
Presidente do COMPETE 2020
Rui Vinhas da Silva