Notícias
HapticControl: Uma nova geração de comandos para novas formas de consumo de media

Síntese

A forma como vemos televisão e ouvimos rádio foi substancialmente transformada pela Internet e pelas redes de dados de nova geração. Um número reduzido de canais de televisão e estações de rádio que transmitiam em direto deu lugar a centenas de canais de conteúdos multimédia e interativos, a televisão-a-pedido, a visionamento diferido no tempo e a um sem-número de novas funcionalidades que nos permitem consumir os conteúdos que queremos, quando queremos, onde queremos e como queremos.

As novas possibilidades, porém, trouxeram consigo também uma grande complexidade de interação com os sistemas. Essa complexidade faz-se particularmente sentir nos comandos remotos, que se tornaram absurdamente complexos. Essa complexidade tende a excluir um grande segmento da população, nomeadamente a população mais idosa e vulnerável.

O projeto HapticControl veio substituir o telecomando tradicional por um comando de nova geração, baseado num novo paradigma de interação, muito mais intuitivo e fácil de utilizar. Para tal, o comando baseia-se, sobretudo, no modo de comunicação mais natural (a voz) e numa interação táctil à distância com o ecrã. A somar a isso, o comando tenderá a nunca precisar de substituir as pilhas, uma vez que essa é uma fonte adicional de complicação e de avarias.

Para atingir estes objetivos o projeto abarcou três vertentes tecnológicas distintas, que convergiram sobre um comando único de nova geração: uma codificação de voz eficiente e compacta, interfaces de retorno háptico e sistemas de recolha de energia do meio ambiente.

Entrevista a

Márcio Sandro Paulino Formigal Harpa BarataÉ Chief Technology Officer na Tech4Home, empresa responsável pelo projeto HapticControl que ganhou recentemente o prémio Red Dot Award na categoria de Product Design, com o ecossistema MODU e contou-nos, nesta entrevista, a importância deste prémio, os fatores diferenciadores, as tecnologias críticas no futuro próximo, e o papel que os fundos da união europeia tiveram e têm neste projeto.

 

 

Quais os principais desafios com que se depararam no desenvolvimento do projeto?

O ecossistema MODU, pretende visionar o futuro dos sistemas de entretenimento e visualização da Televisão, com a integração de novas tecnologias e materiais têxteis inteligentes. Um dos principais desafios no desenvolvimento deste projeto foi apresentar algo disruptivo e inovador que integrasse um design distinto, capaz de ser percecionado pelo Cliente como tal. Outro dos desafios para a Tech4home relaciona-se com a integração de novas tecnologias e novos materiais – têxteis inteligentes - nesta tipologia de produtos – Telecomando e Set Top Box.  A Tech4home tem de garantir uma usabilidade fácil e intuitiva do telecomando, mesmo quando se aplica um têxtil – que integrará as funções de TV. O utilizador será capaz de obter uma resposta háptica e terá uma experiência de “lean back” – consegue utilizar as funções do telecomando sem ter de olhar para ele, em simultâneo. O conceito do Ecossistema MODU foi apresentado com muito sucesso e agora a Tech4home tem o grande desafio de continuar a trabalhar no desenvolvimento e industrialização destes produtos.

 

Quais as tecnologias que acredita serem críticas no futuro próximo?

No que diz respeito a telecomandos, o paradigma de utilização da tecnologia de comunicação de infravermelhos está a mudar. A integração da tecnologia de comunicação por radio frequência, será a tecnologia mais relevante e crítica no futuro próximo. Os telecomandos deixam de ter apenas uma comunicação unidirecional (comunicação por Infravermelhos), do telecomando para a STB/Televisor e passam a ter uma comunicação bidirecional (comunicação por radio frequência), podendo receber informação da STB/Televisor. A integração da tecnologia de rádio frequência (RF4CE ou BLE – Bluetooth Low Energy) nos telecomandos permite não só a inclusão de outras tecnologias avançadas, como a integração de pesquisa por voz, a integração de movimentos por gestos, a integração de superfícies capacitivas, entre outras, mas também a inter-conectividade com outros dispositivos (telemóveis, tablets,...) por Bluetooth. Todas estas tecnologias requerem um consumo mais elevado de energia e os novos desenvolvimentos vão nesse sentido de encontrar formas de aproveitamento energético ou de otimização da solução final no que diz respeito a consumo de energia.

 

Qual a importância do prémio que vos foi atribuído para o vosso posicionamento no mercado?

O prémio – Red Dot Award – é um prémio de reconhecimento internacional e de grande prestígio na nossa área de atuação – Telecomandos. O Ecossistema MODU concorreu com participantes de 54 países, com mais de 5500 inscrições. A Tech4home ter ganho o prémio Red Dot Award na categoria de Product Design, com o ecossistema MODU apresentado, em concorrência com outras empresas do mesmo sector em que o júri é constituído por diversas personalidades e entidades do mais alto nível, é de facto um marco notável na nossa empresa e contribui para um posicionamento de reconhecimento de excelência no mercado em que atuamos.   

 

 

 

Qual o contributo do COMPETE 2020 para os objetivos que definiram para o projeto?

O contributo do COMPETE tem sido muito relevante ao longo dos anos de atividade da Tech4home. Os apoios do COMPETE têm permitido alavancar a área de Invovação, que para uma empresa Startup, de outra forma seria muito difícil. O mercado concorrencial é muito forte, com empresas internacionais já estabelecidas há muitos anos, e a Tech4home têm conseguido posicionar-se com produtos e soluções inovadoras e diferenciadoras, garantindo assim o seu crescimento e sucesso.

 

 

 

Apoio

Cofinanciado pelo COMPETE 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos à I&DT, na vertente de co-promoção, o projeto HapticControl envolveu um investimento elegível de 393 mil euros e um incentivo FEDER de 285 mil euros. 

 

Links

Tech4Home 

Website 

Linkedin 

Video Tech4home na vanguarda dos telecomandos

 

Instituto Politécnico de Leiria

Website

Facebook 

Youtube

 

 

09/11/2017 , Por Cátia Silva Pinto
Portugal 2020
COMPETE 2020
Europa