Notícias
APTUS - Centro de Desenvolvimento de Software e Inovação em "Machine Driven Big Data & Connected Media Services"

Enquadramento

Big Data, conectividade e Indústria 4.0 oferecem uma grande variedade de novas possibilidades para os seres humanos e empresas. Carros, aviões, comboios, dispositivos médicos, robôs industriais, entre outros, estão cada vez mais conectados e produzem um volume enorme de dados. Por conseguinte, as empresas industriais enfrentam desafios completamente novos no que diz respeito à otimização, segurança, armazenamento e análise de dados. Ao nível tecnológico, o desafio é como conectar dois mundos tão diferentes como sistemas embebidos e sistemas de informação. Na indústria existem normas regulamentares obrigatórias que devem ser respeitados na íntegra, como também, a segurança e fiabilidade são fatores-chave em máquinas tais como automóveis, aviões e dispositivos médicos. Consequentemente, em termos de utilização, as indústrias são confrontadas com o desafio de o que fazer com os dados recolhidos. Embora existam muitas possibilidades em aberto de novos serviços e aplicações para os utilizadores finais, aquelas endereçadas pela indústria são únicas: os fabricantes e operadores podem assim conectar-se às suas máquinas e abrir os seus mercados a um grande ecossistema. Contudo, existem vários obstáculos em termos de complexidade do ecossistema e da implementação de modelos de negócios viáveis. Fabricantes de longa data com um perfil mais convencional são agora confrontados com a concorrência de novos intervenientes, mais ágeis e com ciclos de time-to-market mais curtos.

Neste novo paradigma os sectores industriais estão a ser confrontados com um duplo desafio de conectividade, nomeadamente, como recolher dados com o menor custo usando a arquitetura mais adequada e adaptada e, em seguida, analisar esses dados de modo a criar valor e gerar novos serviços para os utilizadores finais.

 

O Projeto

Nesse sentido, o presente projeto tem como objetivo aumentar a capacidade instalada em 200 recursos humanos altamente qualificados (irão ser criados 200 postos de trabalhos), com intuito de desenvolver e consolidar um processo inovador baseado numa oferta agregadora industrial end-to-end para Machine Driven Big Data, Connected Media e projetos conexos, a todos os mercados onde a Altran atua, recolhendo dados de Sistemas Embebidos, transportando e armazenando os mesmos na Cloud, sendo posteriormente analisados de uma forma totalmente segura e convertidos em informações através de análise de dados (analytics). Através desta solução abrangente os dados podem ser convertidos agregando valor e novas abordagens para modelos de negócios podem ser gerados, sendo que desta forma, os clientes da Altran podem explorar a conectividade e os dados recolhidos a partir de máquinas de forma tão eficiente quanto possível e consequentemente concentrar-se em estratégias de criação de valor.

Este projeto de inovação irá incidir sobre áreas estratégicas de conhecimento e altor valor tecnológico, designadamente:

- Dados : Conectar Máquinas - Integrar e implementar as tecnologias para conectar máquinas e dispositivos, detetando e recolhendo os dados, incluindo o processamento local;

- Transporte: Rede de Transporte - Fornecer as tecnologias de rede adaptadas necessárias para tirar vantagem da rede dispositivo/máquina e enviar dados para uma infraestrutura baseada em Cloud;

- Informação: Cloud industrial, Analytics & Inteligência - Soluções de Analytics e Business Intelligence chave-na-mão, incluindo self service analytics e acesso ubíquo, construído sobre uma infraestrutura pública, privada ou hibrida;

- Serviços:  Inovação Produto e Serviço - Criar ou melhorar os serviços com a máquina conectada;

- Negócio - Inovação Modelo de Negócio - Criar modelos de negócios inovadores para os serviços novos/melhorados e configuração do ecossistema.

Desta forma, os serviços desenvolvidos subjacentes à oferta industrial end-to-end para Machine Driven Big Data, irão centram-se nas seguintes aplicações:

- Automóvel - veículos autónomos, validação ADAS (Advanced Driver Assistance Systems), gestão de frotas, manutenção preditiva, entre outros;

- Aeronáutico - manutenção preditiva, serviços de transporte aéreo, fluxos aeroportos, gestão, serviços porta-a-porta, entre outros;

- Ferroviário - manutenção preditiva, gestão energética, bilhética, fluxos estações, gestão, entre outros;

- Saúde - paciente conectado, bem-estar corporativo, manutenção preditiva, entre outros;

- Indústria - fábrica do futuro (FoF - factory of the future), gestão energética, manutenção ativos, entre outros;

- Telecomunicações - analytics de rede, qualidade de serviço (QoE - Quality of Experience), manutenção ativos, Media Enrichment;

- Serviços Financeiros - Near Field Communication (NFC), Usage Based Insurance (UBI), deteção de fraude, entre outros.

Existem fatores de inovação não tecnológicos que se encontram relacionados com a forma como as organizações gerem os seus ativos, nomeadamente as suas competências e as suas relações com o exterior, complementares à integração de tecnologia no desenvolvimento de processos de inovação. Estes elementos são fundamentais para a comercialização de soluções inovadoras, pois encontram-se associadas aos processos desenvolvidos pela empresa, essencialmente durante as fases de conceção e de promoção dos bens ou serviços. Estes processos são tipicamente desenvolvidos em conjunto com empresas a jusante e a montante da sua cadeia de valor, com as quais se relaciona.

Nesse sentido, o capital humano, os ativos intangíveis (conhecimento, formação e desenvolvimento, know-how tecnológico, processos, sistemas de informação, propriedade intelectual, I&D, etc.) e transferência de conhecimento constituem os principais objetivos do investimento do corrente projeto.

Estes investimentos são compostos por:

 - Contratação de 200 recursos humanos altamente qualificados, através de um processo estruturado de recrutamento recorrendo a uma parceria estabelecida com algumas ESCTNs (Entidade do Sistema Cientifico e Tecnológico Nacional), implicando posteriormente um processo de formação intensivo e qualificado com respetiva transferência de conhecimento, providenciado tanto pela Altran Portugal como pelas ESCTNs. As áreas de conhecimento que serão privilegiadas neste âmbito serão: Conetividade, Sistemas Embebidos/Distribuídos, Sistemas Críticos e com aplicação em tempo real, Segurança e Proteção, Tecnologias da Informação & Big Data, Analytics, Gestão da Inovação e áreas adjacentes.

- Centro de I&D em Data Analytics e Connected Media (com localização no Fundão, Aveiro e Porto) com o objetivo de se tornar num World Class Center em Advanced Networks e Analytics do grupo Altran.

- Projetos de I&D com ESCTNs, nomeadamente, Universidade da Beira Interior (UBI), Instituto Politécnico da Guarda (IPG), Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB), Universidade de Aveiro (UA), Universidade de Coimbra (UC), Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) e Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

 


Testemunho de Rodrigo Maia

CTO, Altran Portugal

  

 

 

“Consolidar e modernizar a Internet das Coisas, a análise de dados e a nova geração de redes de comunicação (5G) para alcançar o melhor desempenho, é uma necessidade absoluta na sociedade em que vivemos. Foi com base nesta premissa que a Altran estabeleceu o compromisso, através do seu Centro de I&D, de desenvolver e implementar as melhores soluções inovadoras incidentes em áreas como Big Data & Analytics e Connected Media. Mais do que nunca, a elaboração de parcerias com universidades para a capitalização dos nossos recursos humanos e I&D nestas áreas, será fundamental para o seu sucesso e implementação e, neste sentido, o apoio Compete2020 é garantidamente uma mais-valia para o Grupo Altran, fomentando o desenvolvimento de projetos de inovação em áreas estratégicas de conhecimento e alto valor tecnológico.”


 

Apoio

Apoiado pelo COMPETE 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos à Inovação, o projeto APTUS envolve um investimento elegível FEDER de 12,7 milhões de euros e um incentivo FEDER de 3,3 milhões de euros.

03/11/2017 , Por Miguel Freitas
Portugal 2020
COMPETE 2020
Europa