Notícias
CerWave: a inovação da Costa Verde na cozedura de porcelana

Promovido em parceria com a Universidade de Aveiro e o CTCV - Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro, o objetivo deste projeto visa a otimização de um protótipo de forno híbrido gás/micro-ondas destinado à cozedura de porcelana com vista à poupança energética e à diminuição de gases de efeito de estufas.

 

CerWave - Demonstração do processo de cozedura de porcelana por gás-micro-ondas

1. Síntese

Promovido pela Porcelanas da Costa Verde em parceria com a Universidade de Aveiro e o CTCV - Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro, o projeto CerWave visa a otimização de um protótipo de forno híbrido gás/micro-ondas destinado à cozedura de porcelana. Pretende-se validar e demonstrar industrialmente que o processo de aquecimento assistido por micro-ondas conduz a uma redução do consumo energético e do tempo de cozedura comparativamente com o processo convencional (aquecimento por combustão de gás natural). Trata-se de tecnologia potencialmente mais limpa, mais rápida, menos onerosa e mais eficiente. 

 


Em declarações ao COMPETE 2020, Francisco Proença, Diretor Industrial, avigora a mais-valia deste projeto:

 

“Num mundo cada vez mais globalizado, em que a componente ambiental e energética é cada vez mais posta em causa, vem a Costa Verde demonstrar com um projeto inovador, que a sinterização da porcelana pode ser feita com auxilio da energia das Microondas, energia eléctrica essa que cada vez mais é produzida por fontes Renováveis, e a um custo que de futuro vai ser mais reduzido, contribuindo assim para uma tecnologia sustentável e potencialmente amiga do ambiente.”

 

 

2. Enquadramento

A indústria cerâmica é uma indústria consumidora intensiva de energia pelo facto de os seus produtos adquirirem as suas propriedades finais após uma etapa de cozedura a alta temperatura. No caso da porcelana, a obtenção de elevadas temperaturas nos processos é necessária para que se propiciem as propriedades finais pelas quais este produto é conhecido, tais como a elevada resistência mecânica e térmica, além dos efeitos visuais tais como o brilho, a brancura e a translucidez. Para obter estas propriedades, a porcelana é submetida a diversos processos de cozedura onde, após a deposição do vidrado, é submetida a uma cozedura próxima dos 1400 °C, sendo este processo atualmente obtido através da queima de gás natural.

Esta é uma das componentes mais relevantes para a competitividade das empresas deste setor. O consumo de energia térmica representa atualmente cerca de 85% do consumo total de energia de uma empresa, sendo o gás natural o combustível mais utilizado em instalações industriais.

 

3. O Projeto

O projeto CerWave é um projeto demonstrador de I&DT que visa a otimização de um protótipo de forno híbrido gás/micro-ondas destinado à cozedura de porcelana. 

Pretende-se neste projeto validar e demonstrar industrialmente que o processo de aquecimento assistido por micro-ondas conduz a uma redução do consumo energético e do tempo de cozedura comparativamente com o processo convencional (aquecimento por combustão de gás natural). Trata-se de tecnologia potencialmente mais limpa, mais rápida, menos onerosa e mais eficiente que os processos tradicionais em uso. 

Este novo método usa a radiação de micro-ondas paralelamente com gás natural para a cozedura de porcelana. A interação da radiação de micro-ondas com o material origina um aquecimento mais volumétrico, resultando no aquecimento direto do material pela radiação eletromagnética, sendo possível a otimização do processo pelo facto de a radiação de micro-ondas atuar termicamente a partir do interior, enquanto a radiação térmica criada pela combustão do gás natural aquece de fora para dentro, culminando assim na utilização do melhor destas duas tecnologias.

O projeto surge na sequência do projeto de I&DT em co-promoção “GreenWave” (financiado no âmbito do QREN), e que visou a construção do primeiro protótipo de forno destinado à cozedura de porcelana para demonstrar o processo de aquecimento convencional assistido por micro-ondas. Os resultados foram promissores, sendo no entanto necessário otimizar os parâmetros de funcionamento bem como reestruturar os módulos de micro-ondas de modo a obter uma adequada cozedura dos produtos cerâmicos, mantendo a qualidade das peças obtidas dentro de parâmetros internacionalmente aceites.

A divulgação e disseminação deste projeto é uma preocupação dos parceiros, quer a nível nacional quer internacional, tendo o projeto sido promovido a nível internacional pela Universidade de Aveiro nos encontros CLME2017 e HEFAT 2017. A nível nacional, foram efetuadas publicações no Green Business Week e no Materiais 2017, tendo sido ambas difundidas pela Costa Verde.

 

4. Enquadramento no COMPETE 2020

> Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico

O projeto CerWave foi apoiado pelo COMPETE 2020 no âmbito do Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico, na vertente de co-promoção, envolvendo um investimento elegível de 420 mil euros e um incentivo FEDER de 218 mil euros.

> Consórcio

Trata-se de um projeto demonstrador promovido pela Porcelanas da Costa Verde em parceria com a Universidade de Aveiro (através do Instituto de Materiais de Aveiro) e com o CTCV – Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro.

 

5. Links úteis

Porcelanas da Costa Verde S.A.

Universidade de Aveiro

Instituto de Materiais de Aveiro

CTCV - Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro

ANI – Agência Nacional de Inovação

 

 

19/10/2017 , Por Cátia Silva Pinto
Portugal 2020
COMPETE 2020
União Europeia